No Verão de 2007 duas pessoas muito preocupadas, Juan Blanco  e Jacquie Cozens, ficaram estupefactas com a chacina brutal e flagrante de tartarugas todas as noites nas praias da Ilha do Sal e decidiram ambos fazer alguma coisa contra isso.
 
Jacquie começou a andar pelas praias da parte leste da ilha todas as manhãs para contar ninhos e rastos e apanhar lixo; e, todas as noites, ia à praia num esforço para deter eventuais assassinos de tartarugas.
 
Entretanto, Juan iniciou um projecto de incubadoras no exterior do centro de mergulho Scuba Caribe num esforço para salvar ovos de ninhos “em risco” (abaixo da marca da maré ou de tartarugas que tinham sido mortas).
 
Depois de se conhecerem, formaram a SOS Tartarugas, sendo a equipa reforçada ainda por  Luciano Teixeira e Euclides Gonçalves (o biólogo responsável pelo programa de protecção de tartarugas do governo local).  Desde então, o grupo cresceu com a entrada de muito mais pessoas de diferentes nacionalidades e origens mas com o mesmo propósito – salvar tartarugas em Cabo Verde.
 
A organização é uma ONG reconhecida como parceiro na conservação das tartarugas pelo governo de Cabo Verde. Trabalha em colaboração com a DGA (Direcção Geral do Ambiente do Ministério do Ambiente), a Câmara Municipal, a rede Natura 2000 na Boavista, a WWF e as autoridades da Ilha do Sal.
 
São muitas as ameaças à sobrevivência das tartarugas aqui em Cabo Verde, mas a SOS Tartarugas e os membros dos grupos acima mencionados acreditam que, com cooperação e determinação, o futuro das tartarugas pode ficar assegurado em Cabo Verde.
 
SOS Tartarugas